segunda-feira, 1 de maio de 2017

How to Kill Adventist Education by Shane Anderson - Como Matar a Educação Adventista




Image result for how to kill adventist education


Tradução para o português ao fim.

[This is a book written by an American Pastor, and talks about the Adventist Education System, focusing mostly at the North American Division (NAD). I was a bit skeptical when I realized that He was not exactly an educator. But after reading this book I really appreciated his thoughts and I believe that the reality of the NAD is similar to many places in the world. I asked for a beloved friend of mine to write her personal opinions about it. We had a very good conversation about it. So here it follows her review. Thank you so much! A.G.]

How to Kill Adventist Education by Shane Anderson
A further review


Is it worth the cost and what makes us unique?

It is true that Adventist education can be called expensive. As with any private education, you must be prepared to pay more. But what are you paying for? Does it make it more worth it when you consider the extracurricular items that you are also receiving? It definitely is a benefit to contemplate the values, beliefs, environment, relationships, bible studies, church family etc that can be considered extra curricular benefits when attending a Seventh Day Adventist School. When you think about where you spend most of your teenage years, yep, it is in school. In an Adventist school environment with passionate teachers who have a positive influence on our kids and God included in all subjects and areas of life, then does the cost seem more worth it? (p20 & 38, 39) The primary goal of an Adventist school is for each of its students to develop a saving relationship with Jesus (p108). “If Adventist schools serve a sufficiently distinctive and important purpose, the achievement of that purpose is worth their cost ” (p61).

The fact is, we are considered odd or strange… or to put it more nicely, unique! We hold the Sabbath differently to most, we do have the cult brand (even though it isn’t true), we appear fussy with some of the foods we eat and so on! Is this uniqueness a good thing or a bad thing? Should we be less…uhh Adventist?? Embracing our differences is very important and we need to remember our missions to be in the world but not of the world and to be reaching out to all people to bring them the news that Jesus is coming again. We shouldn’t shy away from holding our worships or prayers or from the mission of making disciples (p 24 & 34). In fact, we should be including Jesus and the Bible in all our classes (p112)! The Bible and God can easily be tied into all classrooms, in topic or value or behaviour.



What has changed over time?

Shane mentions 3 changes in students over the years and here they are quoted below (p 46).
1. Students have less respect for teachers 
2. Students are notably less motivated now to perform basic schoolwork functions (homework, projects, reading assignments, etc). 
3.Many more students have significant behavioural issues than in the past.

Now I will link this more personally to a school I have had experience with. These are 3 points that I have noted and think that the quality level can be raised! It of course takes work and some losses of students perhaps and more defined rules and consequences, but in raising the standard, it is worth it! We as a boarding school have quite the responsibility with raising these kids and they have a strong responsibility to maintain their studies etc.

Shane says (p47) that with a higher number of behavioural issues, staff are spread more thinly so that the problems aren’t dealt with properly. The negative behaviour spreads like the bird flu until more and more students start behaving worse and bringing the overall level, down. A result is that the more time that gets used on the negative behaviours, the less time gets used on supporting the ‘good’ kids or other aspects of school.

Another example is in my school, is that the focus has switched so much to the non Christian students: straining to include them in spiritual things, make them come to church and worship, stay off their phones, make interesting programs, make things less intimidating (changing the evening worship name from ‘worship’, to ‘evening gathering), and to what response?! They try and escape their church responsibilities (which they agreed to participate in when they started attending the school), we fight with them to not be on their phones, they don’t listen in the programs we make etc. Most importantly, we seem to be watering down our own beliefs to make it less intimidating for them, when we should be standing strong to what we believe, not only to be an example, but to show confidence and strength in what we believe! By watering down our beliefs, we are showing our Christian students that we don’t hold our own beliefs strongly and we are also potentially over simplifying and underpreparing them for their walk with God. They should be the example for the other students of what it is to have a relationship with God.

Who has or should have influence with the students? Other students of course! It should be that we build up our Christian students (and continue to support them after school!) so that they can become stronger in their own faith and feel confident to show their faith in the school environment and be an example to the other students.

Shane makes an interesting comment on p 54 when he says that Could it be that too many of our schools…have become too liberal for conservatives to send their kids to, and …too liberal for liberals to enroll their kids in, as well?
Let me just ponder…are we becoming a bit too much ‘of the world’?

I hear you when you ask ‘well what is conservative and liberal?’ and yes I acknowledge that those definitions have changed over time, because when you think about it, Jesus was a liberal in his day (p57)! People and circumstances change, but how do we know when we have swung too far? We live in an ever changing world where violence, murder, sex etc have all become normal in our tv viewing, books, news reports. These things should all be considered in how we allow them in our schools.


What to do?

What can we do to bring the standards back up again you ask? Well my friend, the words are clear guidelines, stronger boundaries, rules and consequence, just to begin with. On p 90, Shane outlines 8 steps to bringing a school back to a thriving environment, and I will list them here.

1.    Ask and answer the right questions 
2.      Become a school of prayer 
3.      Find the right local leader 
4.      Discover the true state of your school 
5.      Master the fundamentals of Adventist education 
6.      Relentlessly eliminate weaknesses or make them irrelevant 
7.      Get the good word out/enlist widespread support 
8.      Embed the positive changes in the culture of the school

Another way to raise standards is accountability. To maintain good quality education and environment requires good quality staff and they need to be held accountable to what they teach, say and put forth as classroom content etc. If there are some lower quality staff, not only does that lower the overall standard, but it also makes it harder on the good quality staff and may tire them out. If someone is not performing to standard, they should be informed and change should be instigated. Maybe they need a wake up call and outside opinion, maybe they need a new position, or maybe they need retraining or new guidelines. But regardless of everything, if they can not change or raise the standard of their work, as harsh as it may sound, it is better to not have them in the school environment! If we keep renewing their contract, we are in reality supporting their low standard (p110)! Let us just remember that by not removing the lower quality, we repeatedly inflict poor teachers on our kids whose future life success – and possibly salvation – hangs in the balance”. We should be seeking out the weaknesses in our schools, to repair them or eliminate them (p119).

Building responsibility and work ethic

Now, there is point number 5 on page 111 which I am quite passionate about. It is about having a strong work ethic and the idea of including compulsory labour in our schools to help encourage the students to have a strong work ethic in all they do.  Not only are they learning valuable skills for the future, they are learning responsibility and commitment. They live on campus and so it is reasonable to expect them to respect and look after their home. It shows a lot of character when you can look after an environment regardless of if you have to clean it up or not! The students should be learning the skills of perseverance and doing a job properly. If you can do well in the small things, you will do well in the bigger things.

In relation to my school, there is too close a link between chores, the daily responsibility, and chores as a consequence. What this shows is that if I do something wrong, I am punished with a daily task, and when I go to my daily chore, I am going to my daily punishment. Chores needs to be separated from punishment to show that the daily responsibility has a high importance. Therefore, I have thought that there should be chores; my daily responsibility, and consequence tasks for the bad behaviour; called consequence instead of chores, because it makes sense to have a consequence to an action right? I have thought up a list of consequences that are different to the daily tasks. For example, cleaning the cars, picking chewing gum off the ground, cleaning the sandwich presses, cleaning the storage rooms etc.

Now, I don’t want to harp on about consequences all the time, but it is true that they need to be there because they support the rules, bring in stronger and clearer boundaries and therefore raises the standard of environment. Take mobile phone usage in church for example. It needs to be stated right at the start as a warning that it is not acceptable to use a phone or book in church and from now on, if we see it, we take it first go. Being consistent in the rules is the only way that we don’t start sliding downhill and have students start walking all over us. 



All in all, having not attended an Adventist school myself, I can’t comment too strongly. From what I have had to do with the Adventist system, I strongly support its values and community and that we can have an every day influence on these wonderful young people. Every interaction needs to be well thought out and have God at the centre. Yes we may struggle with loss of students and some hard times, but we should never compromise our beliefs and standards to join the world and to make us look more appealing. The truth should shine its own light easily enough!





Como matar a Educação Adventista by Shane Anderson
[No início deste ano eu vi minha querida amiga com este livro em suas mãos. Eu disse: Uau! Isso parece muito interessante. Então eu perguntei a ela se eu poderia pegar emprestado. Eu li e gostei muito. Eu pedia a ela sua opinião sobre o livro. Por isso, ela fez uma revisão muito organizada e conversamos sobre isso em nossa viagem de volta da Finlândia. Ela fez muito bons pontos, então eu pedi que escrevesse e compartilhasse conosco.

Este é um livro escrito por um pastor americano, e fala sobre o Sistema de Educação Adventista, com foco principalmente na Divisão Norte-Americana (NAD). Eu estava um pouco cético quando percebi que Ele não era exatamente um educador. Mas depois de ler o livro eu realmente apreciei seus pensamentos e acredito que a realidade da NAD é semelhante a muitos lugares do mundo.

Então, aqui segue revisão da minha queria amiga . A.G.]

Como matar a educação adventista por Shane Anderson
Uma revisão

Vale a pena o custo e o que nos torna únicos?

É verdade que a educação adventista pode ser chamada de cara. Como com qualquer educação privada, você deve estar preparado para pagar mais. Mas o que você está pagando? Será que vale a pena se você considerar os itens extracurriculares que você também está recebendo? Definitivamente é um benefício para contemplar os valores, crenças, ambiente, relacionamentos, estudos bíblicos, família da igreja, etc, que podem ser considerados benefícios extra curriculares quando participam de uma escola adventista do sétimo dia. Quando você pensa sobre onde você passa a maior parte de sua adolescência, sim, é na escola. Em um ambiente escolar adventista com professores apaixonados que têm uma influência positiva sobre nossos filhos e tendo Deus incluído em todos os assuntos e áreas da vida, então o custo parece mais vale a pena? (P.20 & 38, 39) O objetivo primário de uma escola adventista é que cada um de seus alunos desenvolva uma relação salvífica com Jesus (p108). "Se as escolas adventistas servem a um propósito suficientemente distintivo e importante, a realização desse propósito vale o seu custo" (p. 61).

O fato é que somos considerados diferentes ou estranhos ... ou para descrever melhor, únicos! Nós guardamos o Sabbath diferentemente dos demais, nós somos chamados de seita (mesmo que não seja verdade), nós parecemos confusos em virtude dos alimentos que nós comemos e assim por diante! Essa singularidade é uma coisa boa ou ruim? Deveríamos ser menos ... uhh Adventista ?? Abraçar nossas diferenças é muito importante e precisamos nos lembrar de nossas missões para estar no mundo, mas não ser do mundo, e estender a mão a todas as pessoas para lhes trazer a boa notícia de que Jesus está voltando. Não devemos evitar fazer nossas orações nossos cultos diários, ou a missão de fazer discípulos (p. 24 e 34). De fato, devemos incluir Jesus e a Bíblia em todas as nossas aulas (p112)! A Bíblia e Deus podem facilmente ser relacionados em todas as aulas, em tópico ou valores ou comportamento.

O que mudou ao longo do tempo?

Shane menciona 3 mudanças nos estudantes ao longo dos anos e aqui estão citadas abaixo (p. 46).

1. Os alunos têm menos respeito pelos professores.
2. Os alunos estão notavelmente menos motivados agora para desempenhar funções escolares básicas (lião de casa, projetos, trabalhos de leitura, etc.).
3. Muitos mais alunos têm problemas significativos de comportamento do que no passado.

Agora vou vincular isso mais pessoalmente a uma escola com a qual tive experiência. Estes são 3 pontos que eu observei e penso que o nível de qualidade pode melhorar! É claro dá trabalho e talvez custe a perda de alguns alunos e regras mais definidas e conseqüências, mas vale a pena elevar o padrão! Nós, como um internato temos toda a responsabilidade com a criação destas crianças e eles têm uma forte responsabilidade de manter seus estudos, etc

Shane diz (pág. 47) que com um número maior de problemas comportamentais, o pessoal é espalhado mais finamente para que os problemas não sejam tratados adequadamente. O comportamento negativo se espalha como a gripe aviária até que mais e mais estudantes começam a se comportar pior e trazendo o nível geral para baixo. O resultado é que quanto mais tempo se utiliza nos comportamentos negativos, menos tempo se utiliza para apoiar as crianças "boas" ou outros aspectos da escola.

Outro exemplo da minha escola, é que o foco mudou tanto para os estudantes não cristãos: flexibilizar para incluí-los em coisas espirituais, fazê-los vir à igreja e aos cultos diários, controlar para mantê-los fora de seus celulares, fazer programas interessantes, tornar as coisas menos intimidante (Mudando o nome do culto diário à noite de "culto", para "encontro noturno"), e qual o resultado?! Eles tentam escapar de suas responsabilidades da igreja (que eles concordaram em participar quando eles começaram a freqüentar a escola), nós lutamos com eles para que não fiquem em seus telefones, eles não escutam os programas que fazemos, etc Mais importante, nós parecemos diluir nossas próprias crenças para torná-la menos intimidante para elas, quando deveríamos estar firmes com o que acreditamos, não apenas para ser um exemplo, mas para mostrar confiança e força no que acreditamos! Ao diluir nossas crenças, estamos mostrando aos nossos alunos cristãos que não temos nossas próprias crenças sólidas e também estamos potencialmente simplificando mais e subpreparando-os para sua caminhada com Deus. Eles devem ser o exemplo para os outros estudantes do que é ter um relacionamento com Deus.

Quem tem ou deve ter influência sobre os alunos? Outros estudantes, naturalmente! Nos deveríamos preparar nossos alunos cristãos (e continuar a apoiá-los depois da escola!) para que eles possam se tornar mais fortes em sua própria fé e se sentir confiantes para expressar sua fé no ambiente escolar e ser um exemplo para os outros alunos.

Shane faz um comentário interessante na p 54 quando ele diz que "Seria possível que muitas das nossas escolas ... se tornaram muito liberais para os conservadores enviarem seus filhos, e ... muito liberais para os liberais para matricular seus filhos, também? "
Deixe-me apenas ponderar ... estamos nos tornando um pouco demais 'do mundo'?

Eu ouço você quando você pergunta 'bem o que é conservador e liberal?' E sim eu reconheço que essas definições mudaram ao longo do tempo, porque quando você pensa sobre isso, Jesus era um liberal em seus dias (p57)! As pessoas e as circunstâncias mudam, mas como é que sabemos quando nos movemos longe demais? Vivemos em um mundo em constante mudança onde a violência, o assassinato, o sexo, etc, todos se tornaram normais nos programas de TV, livros e notícias. Essas coisas devem ser consideradas em como as permitimos em nossas escolas.

O que fazer?

O que podemos fazer para trazer de volta os padrões de volta, você pergunta? Bem, meu amigo, as palavras são diretrizes claras, limites mais fortes, regras e conseqüências, apenas para começar. Na página 90, Shane descreve 8 etapas para trazer uma escola de volta para um ambiente próspero, e vou listá-los aqui.

1. Faça e responda às perguntas certas
2. Torne-se uma escola de oração
3. Encontre o líder local certo
4. Descubra o verdadeiro estado de sua escola
5. Dominar os fundamentos da educação adventista
6. Elimine implacavelmente as fraquezas ou as torne irrelevantes
7. Obtenha a boa notícia / obtenha apoio generalizado
8. Incorporar as mudanças positivas na cultura da escola

Outra maneira de elevar os padrões é a prestação de contas. Para manter uma educação e ambiente de boa qualidade é necessário ter pessoal de boa qualidade e eles precisam prestar contas do que eles ensinam, dizem e apresentam como conteúdo em sala de aula. Se houver alguns funcionários de menor qualidade, não só baixa o padrão geral, mas também torna mais difícil para o pessoal de boa qualidade e os torna cansados. Se alguém não está cumprindo o padrão, eles devem ser informados e a mudança deve ser estimulada. Talvez eles precisem de um despertar e uma opinião externa, talvez eles precisam de uma nova posição, ou talvez eles precisam de reciclagem ou novas orientações. Mas, independentemente de tudo, se eles não podem mudar ou elevar o padrão de seu trabalho, por mais áspero que possa parecer, é melhor não tê-los no ambiente escolar! Se continuarmos a renovar o seu contrato, estamos na realidade a apoiar o seu baixo padrão (p110)! Vamos apenas lembrar que, ao não remover a qualidade inferior, "repetidamente infligimos maus professores sobre nossos filhos, cujo sucesso na vida futura - e possivelmente a salvação - paira no equilíbrio". Devemos procurar as fraquezas em nossas escolas, repará-las ou eliminá-las (p. 119).

Construindo responsabilidade e ética de trabalho

Agora, há o ponto número 5 na página 111 pelo qual eu sou muito apaixonada. Trata-se de ter uma forte ética de trabalho e a idéia de incluir o trabalho compulsório em nossas escolas para ajudar a incentivar os alunos a ter uma ética de trabalho forte em tudo o que fazem. Não só eles estão aprendendo habilidades valiosas para o futuro, eles estão aprendendo responsabilidade e compromisso. Eles vivem no campus e por isso é razoável esperar que eles respeitem e cuide de sua casa. Isso mostra muito o caráter quando você pode cuidar de um ambiente, independentemente de se você tem que limpá-lo ou não! Os alunos devem aprender as habilidades de perseverança e fazer um trabalho corretamente. Se você pode fazer bem nas pequenas coisas, você fará bem nas coisas maiores.

Em relação à minha escola, há uma ligação muito estreita entre as tarefas domésticas, a responsabilidade diária e as tarefas domésticas um castigo. O que isto mostra é que se eu fizer algo errado, eu sou punido com uma tarefa diária, e quando eu vou para a minha tarefa diária, eu vou para o meu castigo diário. As atividades precisam ser separadas da punição para mostrar que a responsabilidade diária tem uma importância elevada. Portanto, eu penso que deveria haver listas de tarefas distintas: Minha responsabilidade diária, e as tarefas de conseqüência para  mau comportamento; (Chamadas de conseqüência em vez de tarefas), porque faz sentido ter uma punição para uma atitude correta? Eu pensei uma lista de conseqüências que são diferentes das as tarefas diárias. Por exemplo, limpar os carros da escola, colher chicletes no chão, limpar as prensas de sanduíche, limpar os armazéns, etc.

Agora, eu não quero falar sobre as conseqüências o tempo todo, mas é verdade que eles precisam estar lá porque eles dão suporte às regras, trazem limites mais fortes e mais claros e, portanto, elevam o padrão do ambiente. Tome o uso do telefone móvel na igreja por exemplo. Ele precisa ser afirmado no início como um aviso de que não é aceitável usar um telefone ou ler um livro na igreja e de agora em diante, se vê-los com essas coisas, vamos confiscar logo na primeira vez. Ser consistente nas regras é a única maneira de não começar a deslizar para baixo e fazer com que os alunos comecem a andar por cima de nós.

No fim das contas, como eu mesma não frequentei uma escola adventista, eu não posso comentar muito fortemente. Do meu contato com o sistema adventista, eu apoio fortemente seus valores e comunidade e que podemos ter uma influência diária sobre esses jovens maravilhosos. Toda interação precisa ser bem pensada e ter Deus no centro. Sim, podemos lutar com a perda de estudantes e alguns tempos difíceis, mas nunca devemos comprometer nossas crenças e padrões para se juntar ao mundo e nos fazer parecer mais atraentes. A verdade deve brilhar sua própria luz com bastante facilidade!