domingo, 18 de setembro de 2016

Ministering as a Pastor in Europe - Ministrando como Pastor na Europa

Tradução ao fim do texto

[While I was on Greece I had the privilege to know pastor Kim and his lovely family. Actually I only could go to Kalamos camp because of him who answered my e-mails and indicated me the way. I had some very interesting conversation with him about the ministry, education, seminaries, and I asked him to write me about his experience as a pastor in Europe. This text has been a inspiration for me who has seen myself the European faith scenario. Hope this text will blessing for you too.
Text first in english and then the translation to portuguese.  If you enjoy it, like our page on facebook: 

Enquanto eu estava na Grécia, tive o privilégio de conhecer o pastor Kim e suas adorável família. Na verdade eu só fui pra Kálamos porque ele respondeu meus emails e me indicou as pessoas com quem falar. Eu tive algumas conversas muito interessantes com ele sobre o ministério, educação, seminários, e eu pedi a ele que escrevesse sobre a suas experiência na Europa. Esse texto tem sido uma inspiração pra mim que tenho eu mesmo visto o cenário espiritual da Europa. Espero que esse texto seja uma benção pra você também. Mande esse texto para aquele seu amigo que quer ser missionário ou pastor na Europa.  Se você gostar, curta a nossa página no facebook: https://www.facebook.com/teololife

Alex Galindo]



Ministering as a Pastor in Europe - Ministrando como Pastor na Europa
by Kim Papaioannou

            My name is Kim. Though in the Americas Kim might be mostly a female name, in Europe it is usually a male name. I have served as a pastor for 14 years in three different countries in Europe, Greece, the United Kingdom, and now Cyprus. In between pastoring assignments I earned a PhD in theology and also taught theology at tertiary level.

            What is it like being a pastor in Europe?  Pastors in Europe generally are assigned fewer congregations than their counterparts in other parts of the world. Whereas a pastor in Latin America may have five or more congregations, and one in Africa, ten or more, a pastor in Europe will usually have one or two (depending on the size of the congregations) and rarely more than three. And whereas a pastor in Latin America may be responsible for the oversight of 500 or 1,000 members, a European counterpart will usually have less than 200, and often less than one hundred.


            That should not lead one to the conclusion that pastors in Europe have it easy. Historically, churches in Europe are more pastor-centred than churches elsewhere. There is a kind of expectation that permeates most Protestant churches and also the Adventist church to some extent, that the pastor is the key provider of ministry, not only in terms of preaching, administration of the local church, and evangelism, but also personal visitation, Bible studies, and even some of the practical, more mundane aspects of church life, like things relating to building maintenance. It is not unusual for pastors to put 50 and 60 and at times even more of work in a week.


            The biggest challenge facing pastors in Europe is not workload but the general apathy of society towards Christianity.  While a sizeable percentage of the population might identify as Christians, for most it is a nominal affiliation. Few attend church services on a regular basis and many are skeptical of organized religion.

            This trend in society is also affecting the Adventist church, especially in outreach. While Adventist members evidence a strong level of commitment to God, reaching out to the community is proving difficult and is often met with apathy. A pastor and a church may invest a lot of time and money in organizing outreach activities only to discover that the community response is minimal and anemic. A pastor might invest time in building relationships with individuals and groups only to discover that the level of the relationships remains primarily social, or only elementally spiritual, without a desire for deeper commitment.  For a pastor who has made it his life mission to preach the gospel and help prepare people for the coming of Jesus, such lukewarm response can be disheartening.

            What are some principles that can keep pastors focused and upbeat? In my experience and view, one of the foundations for fulfilling ministry begins with oneself. For me to be able to provide inspired leadership there needs to be an inner conviction that God has called me to be a pastor and that my ministry matters. I think of the patriarch Noah. He faced an even more indifferent society. 120 years of ministry and only his family entered the ark. What kept him faithful to his call was not the response of the people, but his conviction that the Flood would soon destroy the world and his knowledge that God had called him to warn the world. Such a conviction can make ministry fulfilling even when the response is not what is hoped for.

            A second fundamental to successful ministry is to remember that a primary mission for pastors is to take care of existing believers. To Peter Jesus said, “Feed my sheep” (John 21:17). While we want the number of sheep to multiply and increase, each sheep is important in the eyes of God and needs to be looked after. My heart goes out to our young people. They are facing pressure to conform to the standards of this world. Public schools offer secular education with little interest in God; popular youth culture is becoming more and more self-centered, hedonistic, and materialistic. Against such a backdrop we need to train our youth to be different and stand apart; not an easy task.

Not only our youth but all segments of our church are facing the increasing trends of society’s secularization. To care for existing sheep is a task of no little importance. Jesus said that a shepherd knows his sheep (John 10:27) and the sheep know the shepherd. Building meaningful relationships with the people we minister to can be fulfilling and will go a long way in keeping members and young people close to God and in the church.

            Lastly, I want to say something about outreach and evangelism. As fulfilling as ministry to existing members can be, there is an even greater feeling of fulfillment when we see persons give their life to Jesus for the first time. There are many smaller churches that may go for years without seeing a baptism. And as I said earlier, this can be disheartening, both for the pastor and the members. Is there a way we be successful in outreach, even in the secular context of Europe?

            I believe the answer is yes. There is a principle at work, and we find it in Acts 2:47, where we read: “And the Lord added to their number day by day.” The principle is that all genuine church growth is the work of God not man. As a pastor, I endeavor every year to have an outreach plan built around my spiritual gifts. Some pastors are stronger in public meetings, others are stronger in person-to-person approaches. Every pastor has his unique set of gifts from the Spirit, and should built his ministry around his gifts and the gifts of the church.

            Ultimate effectiveness, however, is not based on our abilities but on what the Spirit does. I have learned to pray and ask God to bring His sheep to the fold. And He does sometimes from where we least expect it. Ellen White once had a vision about berries. While on the surface most berries looked unripe, hidden beneath leaves and sometimes our of sight were berries ready to be collected. Moreover, berries yet unripe would ripen in due course.

Therefore, the search for persons open to the gospel must be constant and ongoing. When such an attitude of searching and expectation characterizes our outlook, the Lord will more likely bring to us receptive persons.

European society faces numerous challenges, worse of which is probably its growing secularization. But whatever the challenges we face in ministry, the Bible is still the Word of God and Jesus the only Savior. Europe needs Adventist pastors who are convinced of their calling and the message they carry, and who are willing to labor even if they don’t always see an immediate fruit for their labors. Perseverance in adversity means faithfulness to the call.

Jesus is coming soon!
           
           

 Ministrando como Pastor na Europa




Meu nome é Kim. Embora nas Américas Kim seja um nome frequentemente feminine, na Europa geralmente é um nome masculino. Eu tenho servido como pastor por 14 anos em três diferentes países na Europa: Grécia, Reino Unido, e agora Chipre. Entre as minhas atividades pastorais I obtive um PhD em teologia e também ensinei teologia no nível universitário.

Como é ser um pastor na Europa? Pastores na europa geralmente cuidam de menos congregações que seus pares em outras partes do mundo. Enquanto um pastor na América Latina pode ter 5 ou mais congregações, e um pastor na África, dez ou mais, um pastor na Europa terá geralmente uma ou duas (dependendo do tamanho das congregações) e raramente mais do que três. E enquanto um pastor na América Latina possa ser responsável por supervisionar de 500 a 1.000 membros, seu colega europeu terá geralmente menos do que 200, e frequentemente menos de cem.

Isso não deve levar a conclusão que ser pastor na Europa é fácil. Historicamente, igrejas na Europa são mais centradas no pastor do que em qualquer outro lugar. Existe uma certa expectativa que permeia a maioria das igrejas protestantes e também a Igreja Adventista de certa maneira, que o pastor é o principal provedor do ministério, não apenas em termos de pregação, administração da igreja local, e evangelismo, mas também em visitação pessoal, estudos bíblicos, e até algumas dos aspectos práticos mais mundanos da vida da igreja, como coisas relacionadas a construção e manutenção. Não é incomum para um pastor relatar 50 ou 60 ou até mais horas de trabalho em uma semana.

O maior desafio enfrentado pelos pastores na Europa não é a carga de trabalho mas a apatia geral da sociedade em relação ao cristianismo. Enquanto uma grande porcentagem da população pode se identificar como cristãos, para a maioria é uma afiliação apenas nominal. Poucos frequentam os cultos da igreja regularmente e muitos são céticos da religião organizada.

Essa tendência na sociedade está afetando também a Igreja Adventista, especialmente na proclamação. Mesmo os membros adventistas evidenciando um forte nível de comprometimento a Deus, alcançar a comunidade tem se mostrado difícil e frequentemente esbarra na apatia. Um pastor e uma igreja pode investir muito tem e dinheiro organizando atividades de evangelismo para apenas descobrir que a comunidade responde de maneira mínima e anêmica. Um pastor pode investir tempo construindo relacionamentos com indivíduos e grupos apenas para descobrir que o nível de relacionamento permanece primariamente social, ou apenas elementarmente espiritual, sem um desejo de um comprometimento mais profundo. Para um pastor que fez disso a missão de sua vida pregar o evangelho e ajudar a preparar um povo para a volta de Jesus, uma resposta morna como essa pode ser desanimador.

Quais são alguns princípios que podem manter os pastores focados e otimistas? Em minha experiência e visão, um dos fundamentos para um ministério realizado começa consigo mesmo. Para eu ser capaz de prover liderança inspiradora é preciso que eu tenha uma convicção interior que Deus me chamo para ser um pastor e que meu ministério importa. Eu penso no patriarca Noé. Ele enfrentou uma sociedade ainda mais indiferente. 120 anos de ministério e apenas sua família entrou na arca. O que manteve ele fiel ao seu chamado não foi a resposta das pessoas, mas sua convicção que o Dilúvio iria em breve destruir o mundo e seu conhecimento que Deus o havia chamado para alertar o mundo. Tal convicção pode manter o ministério realizado mesmo quando a resposta não é o que se esperava.

            Um segundo fundamento para um ministério de sucesso é lembrar que a missão primária para pastores é cuidar dos crentes existentes. Jesus disse para Pedro. “Alimenta minhas ovelhas” (João 21:17). Enquanto nós queremos que o número de ovelhas se multiplique e cresça, cada ovelha é importante aos olhos de Deus e precisa ser cuidada. Meu coração explode por nossa juventude. Eles estão enfrentando pressão para se conformar aos padrões desse mundo. Escolas públicas oferecem educação secular com pouco interesse em Deus; a cultura jovem popular está se tornando mais e mais centrada em si, hedonista e materialista. Contra tal pano de fundo nós precisamos treinar nossos jovens para serem diferentes e se destacar; Não é uma tarefa fácil.

            Não apenas para nossa juventude mas todos os segmentos da nossa igreja está enfrentando uma crescente tendência da secularização da sociedade. Cuidar das ovelhas existentes é uma tarefa que não é de pequena importância. Jesus disse que um pastor conhece suas ovelhas (João 10:27) e a ovelha conhece o pastor. Construir relacionamentos significativos com as pessoas que nós ministramos pode ser gratificante e irá percorrer um longo caminho para manter os membros e os jovens perto de Deus e na igreja.

Por fim, eu quero dizer alguma coisas sobre propagação e evangelismo. Tão compensador quando ministrar aos membros existentes poder ser, há um ainda maior senso de realização quando nós vemos pessoas entregando suas vidas a jesus pela primeira vez. Há muitas pequenas igrejas que podem ir por anos sem ver um batismo. E como eu disse antes, isso pode ser desanimador, tanto para o pastor quanto para os membros. Há alguma maneira que podemos ser bem sucedidos na propagação, mesmo num contexto secular como a Europa?

Eu acredito que a resposta é sim! Há um princípio de trabalho, e nós encontramos isso em Atos 2:47, onde lemos: “E Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos.” O princípio é que todo crescimento de igreja genuíno é o trabalho de Deus não do homem. Como um pastor, eu me esforço todo ano para ter um plano de alcance construído ao redor dos meus dons espirituais. Alguns pastores são mais fortes em conferências públicas, outros são mais fortes em aproximação pessoa a pessoa. Cada pastor tem seu conjunto único de dons do Espírito, e deve construir seu ministério ao redor desses dons e os dons da igreja.

            A eficácia última, entretanto, não está baseada nas nossas habilidades mas no que o Espírito faz. Eu tenho aprendido a orar e pedir a Deus para trazer suas ovelhas ao aprisco. E ele o faz algumas vezes de lugares onde eu menos esperava. Ellen White uma vez teve uma visão sobre frutas. Enquanto na superfície a maioria das frutas parecia não madura, escondidas abaixo das folhas e algumas vezes fora da visão estavam algumas frutas prontas para serem colhidas. Além disso, frutas não maduras irão amadurecer no devido tempo.

Portanto, a procura por pessoas abertas ao evangelho deve ser constante e contínua. Quando tal atitude de procura e expectativa caracteriza nossa visão, o Senhor irá mais provavelmente nos trazer pessoas receptivas.

A sociedade europeia enfrenta numerosos desafios, o pior deles é provavelmente a crescente secularização. Mas seja qual forem os desafios que nós encaramos no ministério, a Bíblia é ainda a Palavra de Deus e Jesus o único Salvador. A Europa precisa de pastores adventistas que são convictos do seu chamado e da mensagem que portam, e quem desejem trabalhar mesmo que não vejam sempre os frutos imediatos dos seus trabalhos. Perseverança na adversidade significa fidelidade ao chamado.

Jesus logo vem!