terça-feira, 16 de agosto de 2016

The most blessed person I met in Greece

[Nessas férias tive a oportunidade de voltar para o acampamento na Grécia que ajudei a reformar nas férias anteriores em missão pelo NUMCI/UNASP. Lá fiz amigos muito queridos e um deles foi um grade companheiro que me ensinou muito de inglês, traduziu minhas mensagens para o grego e em apenas 15 dias pudemos desenvolver uma amizade como se nos conhecêssemos há anos. Pedi para que ele compartilhasse sua experiência com o acampamento de Kalamos. Segue o texto original em inglês e a tradução em português ao fim. - Alex Galindo]

[Last vacation I had the opportunity to come back to the greek camp that I helped on the maintenance on my previous vacation. There I made a lot of lovely friends and one of them became a great fellow that taught me a lot of English and in just 15 days we developed a friendship as we were friends from many years ago. I asked him to share his experiences on Kalamos Camp. First the original text in English and following the translation in Portuguese. Alex Galindo]







By/Por Costa J. Gabriel



Let me say very fast few things about me. My name is Constantine, I’m a triplet raised only by my mom and as a pure Greek I was Christian orthodox. That can't say much to you but my country is a Christian orthodox one and although everybody is raised as one, being baptized as babys etc. Not many care until they get old and death reaches to their doorsteps, well, that's the sad truth.

I was about fourteen when I actually got to meet Christ when a friend of mine invited me to her Seventh Day Adventist church. Of course it was confusing and overwhelming feeling for a young child raised pretty far away from church and I can say that it wasn't until very much later that I actually felt the connection. The summer came a years after I started visiting this church and it was time for summer camp. The real reason I wanted to go was the vacation of course but it turned out to so many more.


The Greek camp for SDA’s in Kalamos was somehow of a miracle to me. I could never imagine spending time with so many, actually, nice people. The kids there were all kind and the grown ups were even better. I was getting fascinated by their knowledge on the bible and their belief to God. We had “church” twice a day and although I thought at first that, that would be a trouble, it somehow turned out to be the best part of the day.




The conversations were about understandable stuff. There were about stuff that a kid would like to know. Church was separating the Sabbath school for youngsters and adults but still it was, in a way, hard to catch up. That was not a problem in camp. I would ask all the questions I might was afraid to ask, there would be a discussion on that and I would get an answer. I felt closer to all the kids there, to the pastor and mostly to God.

I guess its worth mentioning that when I started going to church, I could barely speak English. Of course there are English glasses in schools but people here get to know the language  through private institutes which as it could be expected my mom could not afford for all three of us. Through the years of going to English speaking church, seven to be exact, not only I learned English but this years in the camp I was appointed as the translator for all messages and by the comments I received I think I did a pretty good job and if that's not a miracle I don't know what is.

Every summer there is the doubt of if I will make it and go to camp, but He works in mysterious ways and I’ve never lost a summer. It’s amazing how He worked his way into my life and he keeps on trying and proving that He is there and that He cares. I can tell that the blessed camp of Kalamos is one of the best things that ever happened to me and I only have to thank Him for that.

God Bless.


🇧🇷🇧🇷🇧🇷
A pessoa mais feliz que eu conheci na Grécia

Vou dizer algumas coisas bem rápidas sobre mim. Meu nome é Constantine, eu sou um trigêmeo criado apenas por minha mãe e como um puro grego eu era um cristão da igreja ortodoxa. Isso pode não significar muito pra você, mas o meu país é um país cristão ortodoxo e embora todo mundo seja criado como um, sendo batizado quando crianças, etc, não muitos se importam até que eles envelheçam e a morte chegue à sua porta. Bem, essa é a triste verdade.

Eu estava prestes a completar catorze anos quando eu realmente comecei a conhecer a Cristo, quando uma amiga minha me convidou para sua igreja Adventista do Sétimo Dia. Claro que era um sentimento confuso e incômodo para uma criança criada longe da igreja e eu posso dizer que foi muito mais tarde que eu realmente senti a conexão. O verão chegou um ano depois que eu comecei a visitar esta igreja e era tempo do acampamento de verão. A verdadeira razão pela qual eu queria ir eram as férias, claro, mas acabou se tornando muito mais do que isso.


O acampamento na Grécia da Igreja Adventista foi de certa maneira um milagre para mim. Eu jamais poderia imaginar passar tanto tempo com gente, na verdade, tão agradável. As crianças lá eram tão gentis e os adultos ainda mais. Eu estava fascinado com seu conhecimento da Bíblia e sua crença em Deus. Nós tínhamos “igreja” duas vezes ao dia e embora eu pensasse a princípio que isso seria um problema, de certa maneira se tornou a melhor parte do dia.

As conversas eram sobre coisas compreensíveis. Eram sobre coisas que uma crianças gostaria de saber. Na igreja havia separação da escola sabatina para os mais jovens e dos adultos, mas, ainda assim, era de certa maneira, difícil de acompanhar. No acampamento isso não era um problema.  Lá eu podia perguntar todas as questões que eu teria medo de perguntar, havia um debate sobre aquele assunto e eu obtinha a resposta. Eu me senti próximo de todas as crianças lá, das crianças e acima de tudo, de Deus.

Acho que vale mencionar que quando eu comecei a ir à igreja, eu mal podia falar inglês. É claro, havia aulas de inglês na escola, mas as pessoas aqui aprendem inglês em instituições privadas que eu não podia esperar que minha mãe pudesse bancar para mim e meus irmãos. Ao longo desses anos indo a Igreja de fala Inglesa, sete anos, para ser exato, eu não só aprendi inglês mas esse ano no acampamento eu fui indicado como tradutor para todas as mensagens e pelos comentários que recebi acho que fiz um bom trabalho e se isso não é um milagre eu não sei o que é.

Todo verão vem a dúvida se eu vou poder ir para o acampamento, mas Ele trabalha de maneiras misteriosas e eu jamais perdi um verão. É surpreendente como Ele opera seus meios em minha vida e ele continua a tentar e provar que Ele está lá e que Ele se importa. Eu posso dizer que o abençoado acampamento de Kalamos é uma das melhores coisas que já aconteceram a mim eu só tenho a agradecer a Deus por isso.

Que Deus te abençoe!