quinta-feira, 7 de julho de 2016

Como vim parar na Dinamarca





Semana passada, dia 29 de Junho eu cheguei na Dinamarca. Deixei minhas coisas lá e vim pra missão Albânia no dia seguinte. Muitos então me perguntaram como eu fui parar lá. E, por mais estranho que isso possa parecer, ir para a Dinamarca não estava nos meus planos. Mas eu vejo em todas as coisas a providência e a Graça de Deus.

Em agosto do ano passado, um pouco antes de irmos para o evangelismo do terceiro ano, um querido amigo, o Lucas Davis, chegou na mesa onde costumávamos almoçar todos os dias com uma notícia:
“Alex, eu fiquei sabendo de uma vaga no adventist volunteers que é a sua cara! É pra ser prepa na Nova Zelândia! Você iria amar lá!” 


Ele, sabendo meu sonho de servir na educação adventista, conhecendo como eu amo o UNASP e o internato, percebeu que essa era uma oportunidade pra mim! (Que amigo!)

Uau! Eu não estava procurando por isso. Mas, Jesus, que oportunidade! Ir para um país lindíssimo, que fala inglês, pra trabalhar com a coisa que mais amo, educação e jovens. Seria perfeito! Então, eu apliquei para aquela vaga. Porque não tentar?

Um dos meus objetivos de vida é falar inglês fluentemente. Eu até falo inglês. Mas é diferente quando você mora fora. Só assim eu poderia pegar fluência mesmo. Então naquele dia, 17 de agosto, eu apliquei pra vaga no Longburn Adventist College. E no mesmo dia eu consegui as cartas de recomendação de três professores do UNASP. [Minha especial gratidão aos professores Milton Torres, Sergio Festa, Thales Cesare, Wilson Paroschi e Adolfo Suarez].

Como nem tudo são flores, depois de um mês eu recebi a notícia de que a vaga foi fechada. Mandei um email para escola perguntando a razão e eles então me esclareceram:


(...) Unfortunately there are currently no volunteer positions available, the two assistant boys dean positions were filled in early August. We will be looking for new volunteers to start working in July 2016 that you may be interested in applying for. However we have learned of difficulties with getting a Working Holiday visa for residents from Brazil, as there is a quota system. (...)


Bom, fazer o que, né? Fiquei bolado, é claro. Quem não ficaria? Mas, a vida segue! Não era pra ser.
Mas não muito tempo depois eu recebi um outro e-mail do próprio serviço voluntário adventista:

Bom dia, infelizmente o  projeto que você escolheu foi desativado.  Você poderia olhar e escolher outra opção? Quando tudo estiver feito entre em contato conosco e continuaremos com seu processo. Aguardaremos seu e-mail o quanto antes. Sucesso e bom fim de semana!

Eu respondei que eu estava muito interessado naquela posição na Nova Zelândia e que não havia outras que se fossem semelhantes. Então eles mesmos me mandaram uma lista com vagas semelhantes:


Eu apliquei pra essa de Chaplain em Guan, uma ilha americana. Mas fui rapidamente rejeitado, pois para essa posição aceitavam apenas americanos.
Então outro email do AVS

(...) Infelizmente você não foi aceite a sua primeira opção, você gostaria optar pela segunda opção? Quando tudo estiver feito entre em contato conosco e continuaremos com seu processo. Aguardaremos seu email o quanto antes. (...)

 Por fim, essa última opção para a Dinamarca foi a que eu fui aceito para a próxima fase. Então dia 24 de novembro, eu estava dando um estudo bíblico no UNASP no meu estágio de quarto ano quando o mr Flemming, o diretor do colégio Vejlefjord na Dinamarca me ligou para fazer uma entrevista. E depois de alguns dias eu recebi a notícia que eu fui aprovado.

Bom, se eu consegui chegar lá na Dinamarca eu tenho de agradecer, primeiro a Deus, por ter guiado todo o processo. Tanto as portas que ele fecha, quando as que ele abre. Ao Mr Davis que sempre vem com umas ideias doidas para mudar minha vida (acreditem, essa não foi nem de longe a primeira vez), a todos os professores que recomendaram, à Yavonne e a Teen do Adventist Volunteers Service que eu nem conheço, mas foram sempre tão gentis e insistiram tanto comigo para que eu não desistisse de servir como missionário, à comunidade YES que me apoiou sempre e à minha mãe que, mesmo não estando feliz com a ausência, tanto me apoiou para chegar lá.

Alguns meses depois de eu ser aprovado, um outro amigo da nossa mesa do UNASP foi aprovado para fazer a mesma coisa em um outro colégio, só que na Inglaterra. Para uma vaga que nem estava aberta quando eu procurei. Eu certamente teria escolhido essa se ela existisse quando eu pesquisei. Mas eu estou bem certo de que se eu fui parar na Dinamarca é porque nos planos de Deus eu deveria estar em Vejlefjord. Eu não sei o que Ele tem planejado. Mas assim que eu cheguei lá, encontrei aquela equipe de missionários tão maneira e vi aquele colégio maravilhoso, eu agradeci mais uma vez ao Senhor: “Obrigado, Pai, porque era aqui que querias que eu estivesse e porque grande é a sua misericórdia! Usa-me a despeito de mim mesmo”. 

 
[P.S: Se você deseja servir como missionário, se inscreva no www.adventistvolunteers.org e aprenda inglês o melhor que você puder! Deus pode te levar para lugares que você nem imagina! Se ele levou a mim, ele pode levar a qualquer um.]