sábado, 23 de janeiro de 2016

Porque vim para a Grécia





Bom, como alguns amigos queridos pediram, estou escrevendo sobre a missão Grécia. Não sei se vou conseguir escrever todos os dias. Segunda feira começa o trabalho mais intenso.

Antes de escrever sobre a missão em si, quero compartilhar o que me motivou a vir aqui:



Eu nunca tinha ido a uma missão antes. Mas no último semestre, enquanto eu estagiava no UNASP sp, minha queria amiga Luiza Murat que  trabalha no numci compartilhou sobre as missões que o UNASP iria realizar essas férias.


Dentre as opções a Grécia me chamou a atenção por uma série de fatores:



Um dos meus objetivos de vida é aprender a falar grego fluentemente. Por que alguém quer aprender grego? Porque é a língua dos filósofos clássicos e principalmente porque é a língua em que a Bíblia foi escrita (NT) e primeiro traduzida (Septuaginta). Eu sei, eu sei. Foi em grego Koiné que não é o mesmo grego moderno que é falado atualmente. Mas se você quer aprender uma língua é interessante ter com quem falar, e é o que temos hoje.

Outro aspecto que me atraiu muito aqui foi a possibilidade de trabalhar com refugiados Sírios e poder visitar acampamentos de refugiados e ajudar nem que seja um pouquinho. Como alguns sabem, eu estou trabalhando num livro que fala sobre o diálogo entre islamismo e cristianismo, o Alcorão e a

Por fim, quando eu soube que iríamos trabalhar num acampamento de jovens aqui eu me empolguei. Eu sempre ouvi relatos de amigos sobre como a Europa está secularizada e como é pequeno o interesse na fé aqui, então a possibilidade de trabalhar por esse ideal foi decisivo.

E a maior de todas as motivações é a fé na promessa de Cristo Jesus. Em seu sermão profético Jesus declarou:

"E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo como testemunho a todas as nações, e então virá o fim." Mateus 24:14




Os recursos para vir para cá vieram de uma maneira muito providencial. Então, uma vez que eu não poderia ir colportar, tendo os recursos sendo providos, tempo e todas as minhas paixões envolvidas, eu não tive como recusar.

Hudson Taylor


Se você leu até aqui, peço que você ore por essa missão. Que possamos ser úteis aqui. Todos sabem da situação atual da Grécia. Da crise econômica e migratória. Da secularização da Europa. O que um grupo pequeno de jovens pode fazer frente a tão grandes desafios?

Madre Tesesa (uma albanesa muito piedosa) disse em outras palavras:
"O que eu faço é uma gota no oceano. Mas sem ela, o oceano seria menor."